logo recordtv 33940e1ed62eb1c8ecb0cb133ecccb77   urandir   Loures pede para ser transferido da PF para batalhão ou, em último caso, Papuda

9ets News – Notícias Brasil – Urandir News-

9 et Urandir   News 2014   b5b4b 4kc7vbfil4 9foaodmslq file jpg dimensions 460x305   urandir   Loures pede para ser transferido da PF para batalhão ou, em último caso, Papuda

Rocha Loures foi preso no começo de junho em Brasília
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo – 7.6.2017

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures apresentou novo recurso ao STF (Supremo Tribunal Federal) para ser transferido da carceragem da Polícia Federal, em Brasília, onde está preso desde a última quarta-feira (14). No pedido, a defesa quer que ele volte para o 19ª Batalhão da Polícia Militar, ou, em último caso, para o Complexo Penitenciário da Papuda “por sua conta e risco”.

A defesa de Loures alega que a PF “não possui condições mínimas para a sua permanência, tendo em vista que se trata de uma cela de isolamento e não existem condições mínimas necessárias de saúde, como banho de sol e higiene pessoal”.

O relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, concedeu três dias para a PF se manifestar sobre o recurso de Loures, ponderando que o Estado deve privilegiar a integridade física de Loures, que alegou sofrer ameaças à sua vida na Papuda.

“O Estado deve privilegiar a integridade física do custodiado em perigo, mesmo que isso implique outras restrições, como a permanência — provisória — em estabelecimento policial não idealizado para cumprimento de pena, mas que, nas atuais circunstâncias, revelou-se, ao menos em um primeiro momento, a opção segura e, portanto, apta a garantir o bem alegadamente em risco”, diz Fachin no despacho.

Transferência

Na última terça (13,) Fachin determinou a transferência de Loures da Papuda para a carceragem da PF, em Brasília. A decisão se deu em resposta a um pedido apresentado pela defesa do ex-assessor especial do presidente Michel Temer, com quem é investigado em um inquérito aberto com base nas delações da JBS.

A defesa apontou “ameaças diretas e indiretas à vida de Rodrigo” no pedido e disse que o interior de prisões é um local “propício para se encaminhar um matador”. No relatório de Fachin, o ministro destaca que “o pai do requerente teria recebido uma ligação telefônica de um conhecido da família que lhe avisou estar o requerente correndo risco de vida caso não concordasse com a delação premiada”.

“Os fatos narrados, ainda que não estejam desde logo embasados em elementos probatórios que lhes deem suporte, são graves o suficiente para que se dê ao menos notícia ao Ministério Público a quem incumbe, no âmbito de suas atribuições, deflagrar instrumentos voltados à respectiva apuração”, afirmou Fachin, em sua decisão, remetendo os autos à Procuradoria-Geral da República para que se manifeste sobre o pedido de Rocha Loures, que buscava passar para a prisão domiciliar.

9ets News e Urandir News
Notícias Brasil

Fonte: r7.com