9ets News – Notícias – Cultura

9 et Urandir   News 2014   65457 216034 web   urandir   Cérebros de meninos e meninas reagem da mesma forma ao aprender matemática, diz estudo
Análise de atividade cerebral de crianças não apresentou diferenças; pesquisadores comprovam que habilidades matemáticas são as mesmas para garotos e garotas. A pesquisadora Jessica Cantlon, uma das autoras do estudo, com uma das crianças participantes do trabalho aprendendo matemática
Divulgação/Universidade Carnegie Mellon
Cérebro de crianças, sejam meninos ou meninas, respondem da mesma forma para aprender matemática. Em estudo publicado nesta sexta-feira (8) pela revista “Science of Learning”, cientistas norte-americanos avaliaram as respostas de aprendizagem a esta disciplina nos pequenos de 3 a 10 anos.
O grupo responsável pelo trabalho realizou exames de ressonância magnética em 104 participantes do estudo, 55 eram meninas.
Pare de acreditar que ‘não nasceu pra matemática’
As diferenças descobertas no DNA dos canhotos
“Vimos que os cérebros das crianças funcionam de maneira semelhante, independentemente do sexo, e esperamos recalibrar as expectativas do que as crianças podem alcançar em matemática”, disse Jessica Cantlon, uma das autoras, em um comunicado.
Após a análise de como o cérebro de cada um respondeu aos estímulos de jogos matemáticos, os pesquisadores confirmaram que não existe diferença na forma em que garotos e garotas processam as habilidades nesta área do conhecimento.
Diferenças sociais
“A maturidade cerebral foi estatisticamente equivalente, quando comparadas a indivíduos adultos no estudo”, disse a publicação que foi a primeira a comparar, a partir de imagens neurológicas, diferenças de gêneros nas aptidões de crianças.
A pesquisadora norte-americana defendeu que as meninas são afastadas da matemática por questões sociais e culturais e lembrou que estudos anteriores comprovaram que meninos tendem a ter maior cognição espacial porque passam mais tempo brincando que as meninas.
‘Não se preocupe, você não precisa ir bem em matemática’ – um dos estereótipos de gênero que desestimulam meninas
Pexels
O mesmo ocorre, explicou Cantlon, em relação ao estudo da matemática. Esta pesquisadora comentou que é mais comum que professores passem mais tempo praticando exercícios matemáticos com meninos do que com meninas.
“A socialização pode aumentar as pequenas diferenças que existem entre garotos e garotas e isso pode se transformar em uma bola de neve que as afasta das ciências e matemática” destacou a pesquisadora. “Precisamos ter consciência das ações e nos assegurar que não abrimos espaços para diferenças de gêneros.”

9ets News e Urandir Notícias
Notícias Cultura e Educação by Urandir

Fonte: g1.globo.com